História da Festa da Lavadeira

Surgimento

Em 1 de maio de 1987 começou a Festa da Lavadeira, quando a escultura de uma “lavadeira” foi comprada e colocada em frente a casa que tinha 42m² de área construída, sem cerca nem luz elétrica.
A escultura da Lavadeira despertou o interesse da comunidade nativa da Praia do Paiva, eles iam visita-la nominando a escultura de “mulher”, levando em alguns casos presentes ou oferendas, como frutas da época, por exemplo, às vezes uma “feirinha” composta de arroz, feijão e macarrão.
Assim, para que todos os nativos e alguns amigos fossem ao encontro da Lavadeira, surgiu a Festa.

Por que a Cultura Popular?

O idealizador da Festa da Lavadeira, de 1984 até 1986, trabalhou na Casa 10, no histórico Pátio de São Pedro, Recife, convivendo sistematicamente com a cultura popular. Ao deparar com o encontro da Lavadeira com a comunidade nativa da praia do Paiva, foi pensada uma festa com estas manifestações da nossa identidade cultural, com o propósito de mostrar às pessoas sua cultura, unir o povo às suas tradições e criar um espaço para os artistas populares e sua arte.
A Festa da Lavadeira transformou-se, hoje, na maior Festa da Cultura de Pernambuco e um projeto único, que tem o propósito de integrar o Nordeste do Brasil.

Aspecto Religioso

Desde 1988 têm se percebido o Axé da Festa da Lavadeira, sempre cercada de muita fé, histórias, promessas e agradecimentos, sempre se confirmando. A Lavadeira é um ancestral filho do Orixá Iemanjá.
Durante 1989 a 1997, foi D. Iraci (in memoriam), do Ilé Opó Afonjá – Salvador - BA, que nos deu orientação dentro do fundamento Afro Religioso. A partir de 1998, o fundamento da Festa da Lavadeira passou a ser conduzido pela Yalassé Hildeth Roda, conhecida como Mãe Deth, Mãe de Santo de Eduardo, hoje Ogan Alabá do Ilê Odé Omim Lougui - Salvador/BA.

A casa onde se guarda a Lavadeira é uma extensão do Ilé Odé Omim Lougui, com todos os seus fundamentos, permissões e confirmações dos Orixás.