Associação Cultural do Zambiapunga e Burrinhas de Taperoá

Preservação da Cultura e do Folclore

Zambiapunga ou zamiapunga é um folguedo muito interessante e de bastante influência por parte dos populares e que se reproduz anualmente na cidade de Taperoá, na data de 1º de novembro.

Zambiapunga, segundo podemos observar em alguns trabalhos, é um ritual africano, de ato religioso popular. O Zambiapunga era citado como cerimônia para afugentar os maus espíritos, daí a presença de máscaras, pois só as máscaras com terror podiam espantar tanto terror.

O folguedo compreende o seguinte: um grupo de mascarados todos devidamente vestidos com indumentária disfarçada, para não serem conhecidos pela população local, que nesse dia, desde cedo se acha nas ruas da cidade. Desse grupo de mascarados, uns se encarregam do tocamento das caixas, essas feitas de couro de boi, e outros se encarregam do toque das enxadas. Os que tocam caixas seguem na frente ladeadas de dois mascarados, denominados “Guias”, os quais levam no pescoço duas tranças de guisos, que são embalançados ininterruptamente. Esses guias são escolhidos pela altura, de capacetes à cabeça, vestidos de pierrot e também mascarados.

Os componentes do Zambiapunga são artisticamente vestidos com disfarce, capacetes ou chapéu de palha enfeitados de papel de seda e acompanhando o folguedo, outros mascarados saem atrás dos guias. São justamente os tocadores de enxadas, que retinem fortemente seus instrumentos com pedaços de ferro ou pregos grandes, acompanhados dos toques das caixas ou tambores.

Tendo à frente como coordenador André Agostinho (Deco), com o apoio da Prefeitura Municipal a C.A.C.Ta., com a finalidade de preservar a cultura está desenvolvendo junto à comunidade a preservação do folclore do município.

O Zambiapunga Mirim está com um grupo de 70 crianças e adolescentes na idade de 07 a 14 anos, ensinando a confeccionar as máscaras e capacetes para apresentação do grupo nos eventos culturais e festivos da cidade.

Quando falamos da Zambiapunga temos de lembrar do saudoso Sr. Ediberto Pereira do Nacimento, que também foi o idealizador dessa tradição secular. Tudo isso é acompanhado pela população local, que vai atrás, procurando conhecer os mascarados e dando risadas. É uma manhã gozada; o folguedo permanece nas ruas desde 4 horas da madrugada até as 10 horas da manhã.

Essa grande festa popular faz parte do calendário dos festejos do Glorioso São Brás, dia 03 de fevereiro, e que hoje, ainda conta com a participação de Zé Pinto, Antônio Soares, Miguel Ferreira, Lalito, André Agostinho (Deco).