Pastoril Profano do Velho Xaveco

A origem do pastoril é religiosa, de raízes cristãs. No entanto, com o passar dos tempos tornou-se uma manifestação profana. Seu personagem principal é um palhaço bufão, chamado de Bedegueba, Chefe de Platéia, Velho de Pastora, entre outros nomes, que ladeado de suas pastoras canta, dança e faz mesuras.

O Velho apresenta um programa pra lá de apimentado, onde predomina o deboche, e músicas de duplo sentido, sempre apoiado de sua bengala, que tem o formato de uma cobra colorida.

Reunindo elementos da dança, teatro e circo, o Pastoril profano alcançou grande desenvolvimento em Pernambuco, enraizando-se na tradição da arte cênica nordestina, ganhando projeção nacional. Seu formato chegou a ser usado em programas de televisão nos anos 60. O pernambucano Abelardo Barbosa exibiu durante anos o programa “Cassino do Chacrinha”, no qual atuava como um Velho de Pastoril.

No passado, velhos famosos figuraram nesta galeria de Mestres do Pastoril, tais como Velho Barroso, faceta, Futrica, Cebola, Canela de Aço, entre outros.

Atualmente em Pernambuco, o Velho Xaveco é um importante elemento que atua com muita dedicação na preservação deste Folguedo secular.